Encontros do Sagrado Feminino

ggEncontros do Sagrado Feminino 2017

Encontros do Sagrado Feminino 2017

“Mergulhar em Si” 
A ReConexão com o Feminino


Este é um convite  às mulheres, que buscam conhecer a si mesmas, conectar se com sua força ancestral; E desejam partilhar experiências e saberes com outras mulheres, em uma grande roda, em que seremos todas mestras e aprendizes de nós mesmas.

É um convite ao mergulho…

Um convite para mergulharmos em nossas profundas águas, localizando e restabelecendo a conexão com a energia Feminina Sagrada que habita em nosso interior.  

Por meio de vivências, sensibilizações, rodas de partilha de saberes, acessaremos as imagens, representações, crenças e padrões que reproduzimos e carregamos da nossa linhagem ancestral, na maioria das vezes inconscientemente, de geração em geração.

Identificando os padrões e crenças que se manifestam em nossos sentimentos, pensamentos e posturas perante a vida, acolhendo,  integrando e ressignificando-os em nosso momento atual


Venha mergulhar conosco!


A turma acontece
 às quintas-feiras quinzenalmente.

HORÁRIO: 19h30 as 21h

 

      Datas      
11/05
25/05
08/06
22/06
06/07
20/07
03/08



Contribuição e formas de pagamento:
Mensal – R$80,00 (em dinheiro ou depósito*)
* Informe-se com a facilitadora sobre como proceder


Facilitadora: Tati Bott
Arte Terapeuta, Consteladora familiar e Guardiã de Círculos de Mulheres.

Inscrições e mais informações: (11) 964335707
encontrosdosagradofeminino2017@gmail.com

“Sagrado Feminino é o resgate de uma consciência antiga que nos retorna aos valores de nós mulheres num todo, social, pessoal, psicológico, religioso, cultural, além de uma busca pela atitude ecologicamente correta.

Dentre essas mulheres que praticam e seguem o sagrado feminino, reconhecemos as bruxas seguindo o sagrado que se encontra nas religiões neo pagãs, e as feministas em busca do resgate ao poder as mulheres, retirado a tempos atrás pelo patriarcado e carrega suas marcas em nossa cultura até hoje.

As mulheres que vão em busca do sagrado feminino, muitas vezes são aquelas que sentem um chamado interior, como se somente a rotina, as tendências, a moda, o trabalho, as saídas com os amigos não a completasse. Algo  lhe falta, algo de dentro e isso mais cedo ou mais tarde costuma ocorrer com todas as mulheres.

Se trata do auto chamado, do encontro de você com você mesma, com sua essência, com suas verdades e sua plenitude.

Diferente das religiões, o sagrado feminino não conta com regras das quais você precisa acreditar, aqui o ideal é que você acredite em você, que aprenda a escutar sua própria voz e as suas crenças. Muito se fala dentro dessa ideologia sobre suas Deusas interiores, mas elas nada mais são que os seus arquétipos, manifestações da sua própria psique das quais nomeamos de Deusas e dependendo da sua crença você pode sim manifestar isso de forma espiritual. Aqui quem coloca as regras é o seu Self, apenas liberte-se.

Quando a mulher passa a enxergar em si uma manifestação da própria terra mãe geradora e nutridora, percebe em si os ciclos iguais aos da terra, percebe a grande energia que flui dentro do nosso corpo e da nossa mente criativa e fértil, muda sua consciência, sua confiança no seu papel no mundo seja para o que for. Está aí a grande força do sagrado feminino, trazer de dentro pra fora sua força, sua essência, descobrir sua história ancestral esquecida, se familiarizar com as deusas, compreender e aceitar os ciclos naturais do seu corpo como a menstruação, gestação, a menarca, a menopausa, os sinais da idade e até a morte.

Todas as mulheres que seguem essa antiga tradição seja através da intuição, da cura, da interação e conexão com os seres espirituais, seja através do feminismo e a luta pelo natural, pelo instintivo, seja qual for  o papel dentro dessa trilha, todas seguimos rumo ao mesmo desafio: entrarmos em um caminho de energias cíclicas, quebrar os padrões e retornar as raízes de nosso planeta, curar o planeta e o coração humano, auxiliando nessa nova vibração do nosso planeta.

Todos fazemos parte de uma mesma teia cósmica, portanto não é preciso utilizarmos de rituais, consagrações, simbologia ou mitologia, cada uma segue suas práticas e chegam ao seu encontro profundo da forma que mais se sentirem a vontade. O encontro com o nosso interior como preza o sagrado feminino, é um legado que toda mulher carrega para si, é  a inspiração que vem de dentro, é a canção que se escuta sem saber de onde vem, é o chamado, a premonição, a luz que se vê, o calor que se sente, a vontade de chegar a totalidade, a flor de luz que existe em cada ser.”

Texto: Sagrado Feminino por  Roberta Struzani

 

Os pagamentos de nossas atividades deverão ser feitas somente em dinheiro ou cheque.
Próximo Encontro:
Dia 20 de Março de 2012

“A Tenda da Lua é o lugar da mulher. 
É lá que as mulheres se reúnem durante seu período menstrual para ficarem juntas 
e se sentirem em sintonia com as mudanças ocorridas em seus corpos. 

Há muito tempo atrás, durante esta época especial do ciclo lunar, 
as mulheres eram afastadas das tarefas domesticas,
e recebiam permissão de se recolher à Tenda da Lua, 
para desfrutar da companhia de suas irmãs.

Em muitas tradições antigas o Tempo da Lua é considerado
um tempo sagrado da mulher,
durante o qual ela é honrada
como sendo a Mãe da Energia Criativa.  

Durante este ciclo, ela deve liberar se das energias antigas que seu corpo vinha
carregando e
preparar se para a religação com a fertilidade da Mãe Terra,
da qual será portadora durante
a próxima lua ou o próximo mês. 

Nossos ancestrais sabiam o quanto era importante permitir que cada mulher
pudesse se  
aprofundar em seu Espaço Sagrado durante este momento de
religação, pois as mulheres  
eram as portadoras de abundância e da fertilidade.  

As mulheres eram as mães; davam continuidade à Tribo tendo filhos,
traziam fertilidade às 
lavouras graças à sua conexão com a Mãe Terra e
abrigavam os sonhos da Nação com seus
ventres até que esses sonhos
se tornassem realidade.  

Durante sua Lua, elas eram estéreis e não podiam conceber. 
Este era, portanto, seu período de descanso”

Tenda da Lua em “As cartas do Caminho Sagrado” por Jamie Sams

O Redespertar do Sagrado Feminino:

O princípio feminino, foi durante muito tempo na história da humanidade, reverenciado como a manifestação do poder primordial criador que flui através de nossos corpos e da Natureza. As mulheres eram consideradas sagradas pela capacidade de gerar vida, de acolher e cuidar,por sua beleza e sua intuição.

juliaro_kundalini_fev_13

Copyright © Juliaro http://palomailustrada.blogspot.com.br/

Atualmente, essa conexão encontra-se enfraquecida, mas ela pode ser rapidamente nutrida e vivificada com nossa energia e intenção.

A dança é uma das formas de acessar diretamente essa energia feminina. Através de movimentos que brotam do âmago criativo da mulher, seu ventre e a ele retornam, fazemos a energia fluir por nossos corpos, nutrindo cada parte com tudo aquilo que temos de mais verdadeiro e belo, deixando vir à superficie de nosso ser tudo aquilo que anos de repressão dessa poderosa força deixou dormente em nosso inconsciente.

Criamos um espaço sagrado interno e externo; interiormente todas as sensações são significativas e permitem, através do físico e do emocional, um contato profundo com nós mesmas; exteriormente a oportunidade de conexão com nossas irmãs, de trocas de experiências, sabedorias, vivências, receitas, idéias e a oportunidade de redespertar, de dentro pra fora, a divindade que existe em nós.

Nessa vivência teremos a oportunidade de descobrir formas de entrar em contato com a Grande Mãe no dia a dia e construir momentos e espaços interiores para essa conexão, criando nossos próprios rituais de purificação, movimentos de danças ancestrais e exercícios que favorecem a identificação da beleza feminina e o contato com nosso ventre e seu poder criativo.

Mesmo morando em uma grande cidade como São Paulo, é possível conectar com os ciclos naturais e os elementos da natureza. Da mesma forma como tais ensinamentos são passados desde tempos imemoriais: oralmente, reunidas em círculo, criando um canal físico e energético, através da dança, do contato com nossos corpos e de umas com as outras.

Caso queira, traga um objeto para consagrar na mandala. Roupas confortáveis são recomendadas.

 

Próximo Encontro:
Dia 20 de Março de 2012