Exposição - Arte Orgânica

Exposição – Arte Orgânica
por Mariana Kuroyama

 

“Eu acredito que pintar te leva mais fundo que qualquer outra coisa ao desconhecido”
– Hundertwasser

A arte orgânica é em nós,
raíz.

Cada ser humano guarda em si a semente criativa. Seja na música, no papel, no canto, tantos dons temos… é preciso que a gente se dê a oportunidade criativa na prática, a fim de encontrarmos em nós o que há de profundo.

A aquarela é regida pela água, é ela que controla o resultado, somos apenas o fio condutor desse algo profundo e além que mora dentro de nós. Nesse “descontrole” proporcionado pelo encontro da água e da tinta, caço jeitos de desconstruir formas e estudo as cores como uma cura para a alma viver alegre neste mundo tão lindo e repleto de tristes contrastes. Sinto que essa arte, por seu contato tão direto com um dos elementos mais presentes na natureza, é um valioso meio de atravessar a vida de maneira mais leve, aceitando o aprendizado de que não controlamos os resultados.

Acredito que todos temos e somos o poder de criar. Isso está presente na força do nosso ser, é natural e inerente ao nosso organismo. Por este motivo chamo a exposição de Arte Orgânica, para nos lembrar sempre de que somos capazes. Meu estudo com desenho e aquarela é extremamente intuitivo e auto-didata. São anos de dedicação por amor. E por amor procuro incentivar os outros a fazerem o mesmo: romper com amarras inventadas e se atrever a criar. Foram homens que, com esse mesmo poder, criaram inúmeras hierarquias, religiões, regras e burocracias para designar e tentar conter essa força criativa desconhecida e tão imensa que só poderia “vir de fora”. Bobagem. Eu digo agora que em mim mora. Em ti também. E em todos, podendo se manifestar conforme circunstâncias, escolhas e perseverança, e de diversas formas…

o r g a n i c a m e n t e

Aqui compartilho um pouco do que tenho feito, no intuito de despertar em você, que aprecia, a sua própria criatividade. São pinturas e desenhos inspirados em sua maioria pela natureza, cosmologia, e o feminino – a energia do respeito, cuidado, carinho, geração e manutenção da vida e seus ciclos. Que de alguma forma essa arte possa tocar lá onde mora seu eu criativo, muitas vezes esquecido na correria dos dias que passam e vão.

Grata a Casa Jaya, que me acolheu desde o início da minha jornada paulista em 2009.

Sejam todos muito bem vindos.