Palestra Cosmovisão Andina

Palestra Cosmovisão Andina

Há séculos os povos andinos criaram uma cultura de respeito e reciprocidade entre si e com a natureza. São práticas que inspiram uma convivência harmoniosa entre diferentes famílias e também com o planeta: temas inspiradores e relevantes para nossa sociedade moderna. Alguns destes povos andinos, como a Nação Q’ero, considerados descendentes diretos dos incas, são estudados no mundo inteiro como guardiões desta cultura. São culturas muitas vezes herméticas. A grande maioria dos Q’eros, por exemplo, fala somente Quéchua, a língua andina, o que dificulta a tradução destes ensinamentos para nosso dia-a-dia.

A boa notícia é que existem pessoas que fazem a ponte entre culturas. Esta é a missão de vida de Don Kike Pinto, músico, compositor, intérprete e pesquisador da cultura andina e amazônica peruana desde 1972.

Em fevereiro, ele estará em São Paulo para uma breve temporada de compartilhamento do seu aprendizado de diferentes maneiras. Gostaríamos de convidá-los a participar de atividades para conhecer um pouco da cosmovisão andina e contribuir para o seu desenvolvimento pessoal.

 

Palestra Cosmovisão Andina

Qual a origem, significado, estrutura e potencial em nossas vidas do conhecimento e tradições andinas? Nesta palestra, Don Kike Pinto irá compartilhar todo o conhecimento adquirido em mais de 40 anos de pesquisa sobre os povos andinos, incluindo a mundialmente estudada Nação Q’ero. Também compartilhará um pouco de suas composições musicais e das sons tradicionais peruanos.

Quando: 28 de fevereiro de 2016, das 11h às 12h30
Onde: Casa Jaya – R. Capote Valente, 305 – São Paulo

Compre seu ingresso

 

 

Mais sobre Kike Pinto

Kike Pinto nasceu em Lima, Peru. Músico, compositor, cantor, intérprete, pesquisador e professor desde o ano de 1972, Kike é dono de um conhecimento vasto sobre diferentes estilos musicais, focando seu trabalho na cultura andina e amazônica peruana.

Fundador e diretor do Museu TAKI, primeiro e único museu de instrumentos andinos e amazônicos, Kike possui uma coleção de mais de 400 instrumentos indígenas, além de arquivos e gravações de valor inestimável sobre essa cultura, frutos de pesquisas de mais de 40 anos.

Atualmente, vive em Lima e faz exposições de sua coleção e conhecimento em programas de TV, organiza conferência, aulas magnas, concertos e recitais.